Aluno em Foco: Talita Louise Salvador, Matheus Pedroza e Pedro Carraro.

Aluno em Foco: Talita Louise Salvador, Matheus Pedroza e Pedro Carraro.

Hoje, nossa coluna “Aluno em Foco”, traz uma matéria com a aluna Talita Louise Salvador e com os alunos Matheus Pedroza e Pedro Carraro, graduanda e graduandos do 9° período de Direito da UFF.

Ela, Veterana em apresentações em Congressos, e eles, em sua primeira apresentação, veio nos contar um pouco de suas experiências no IV Congresso Internacional de Direito (CONIDIR), que ocorreu no final de agosto de 2016, no Centro Universitário de Barra Mansa – UBM, onde apresentou seus mais recentes artigos.

foto-dos-entrevistados-2

A aluna Talita Salvador ao lado de seus colegas Pedro Carraro, Matheus Pedroza e do professor Vinicius Figueiredo Chaves da UFF, em suas apresentações no IV CONIDIR 2016 na UBM.

Confira na íntegra a entrevista:

UFFOCO: O que te fez despertar interesse pelo tema apresentado no IV CONIDIR 2016?

Talita: Em uma das aulas de empresarial III, no semestre passado, o professor Vinícius falou sobre a prática do uso indevido de informações privilegiadas no mercado de capitais brasileiro. Naquele mesmo dia eu pesquisei sobre o assunto e achei muito interessante. Logo depois veio a abertura do CONIDIR/2016 e decidimos fazer um trabalho sobre o assunto.

Matheus: A necessidade de abordar um tema na esfera empresarial com relevância e consequências sociais. Além das orientações dadas pelo professor que me estimularam a buscar conhecimento nesta área.

Pedro:Sempre tive interesse em ações de grandes empresas, entretanto, não sabia como os pequenos acionistas conseguiam expor suas opiniões nas assembleias e os meios com que eles se utilizavam para isso, a partir daí veio o interesse em aprofundar-se no tema.

UFFOCO: Sabemos que muitos possuem dificuldades para a formulação de conteúdo necessário, assim como a superação da timidez, o que muitas vezes desmotiva o aluno. Como você lidou com essas situações?

Talita: Acredito que apresentar o resultado de um trabalho para outras pessoas é sempre muito difícil em qualquer situação. Na grande maioria das vezes estamos emocionalmente exaltados, com os nervos à flor da pele e esse estado atrapalha o nosso desempenho, isso é natural. Sempre resta o sentimento de que o desempenho poderia ter sido melhor.Eu acho que cada pessoa, uma hora, acaba encontrando o seu modo de enfrentar essa situação, com prática e com autoanálise. Atualmente eu venho me saindo bem no improviso. Não consigo repassar várias vezes o trabalho na minha cabeça como muitas das vezes já me recomendaram. Lógico que essa não é uma fórmula perfeita, mas analisando os erros e acertos, sem sombras de dúvidas as minhas apresentações orais foram melhores comigo desenvolvendo a explicação do trabalho espontaneamente.

Matheus:Acredito ser algo totalmente normal e humano, eu também tenho essas dificuldades, afinal, em certas circunstâncias, encontramos ou não facilidade para lidar com desafios e novidades. Eu procuro lidar com esses problemas tendo em mente o fato de que essas oportunidades são sempre maiores e mais importantes a nossa vergonha. O que é mais importante, dar azo a timidez e ficar inerte ou abraçar as oportunidades, romper desafios e de alguma forma trazer contribuições acadêmicas importantes? Quando tenho isso em mente recebo motivação para ir adiante e não deixar me desestimular.Penso que seja um exercício lutar contra essas dificuldades e como qualquer exercício na medida que se pratica e se persiste, alcança-se a proficiência.

Pedro:Tive muitas dificuldades em todas as fases de elaboração do artigo, principalmente na hora da sustentação oral, o que me fez conseguir concluir o trabalho foi o apoio do meu professor orientador Vinicius Chaves e de toda minha família, o que foi muito importante para mim, pois a elaboração e sustentação do artigo não é nenhum “Bicho de sete cabeças” como as pessoas pensam.

UFFOCO: Esse foi o seu primeiro artigo apresentado em um Congresso? Como você se sentiu?

Talita: Não, já tive a oportunidade de apresentar artigos científicos em outros eventos acadêmicos. Eu me senti confortada porque o clima do meu grupo foi muito agradável, todos se deram apoio, inclusive os professores avaliadores, que nos ajudaram a todo o momento a desenvolver o raciocínio do tema.

Matheus:Sim, eu já havia participado de outros trabalhos de pesquisa anteriormente, porém pela primeira vez apresentei um artigo num congresso jurídico. Foi bem empolgante, gratificante e até mesmo divertido. Traz a sensação de dever cumprido. Explicando melhor, essa sensação acontece porque a elaboração de um artigo e até mesmo de trabalhos acadêmicos sempre demandam tempo, pesquisas e estudos, por isso no momento da apresentação temos a oportunidade de difundir e mostrar aquele conhecimento apreendido com bastante trabalho e isso é sempre ótimo.

Pedro:Sim, foi meu primeiro artigo, me senti muito inseguro e apreensivo no início, mas a sensação de dever cumprido ao final da apresentação supera todas as dificuldades.

UFFOCO: Levando em consideração que muitos estudantes ainda desconhecem como é o procedimento adotado no dia da apresentação de um artigo em um congresso, conte-nos um pouco como foi o processo de apresentação que você se deparou ao apresentar seu artigo?

Talita: O CONIDIR no que diz respeito à ordem das apresentações não foi muito rigoroso. O nosso GT “Direito ao Desenvolvimento Socioeconômico, Integração Econômica e Direito Empresarial” não seguiu uma ordem definida, o que nos ajudou a decidir entre nós mesmos quem se apresentaria. Ter essa pequena liberdade facilita no preparo emocional, a meu ver. O processo é bem simples e em regra segue um padrão em qualquer apresentação oral: seu nome e o nome do seu trabalho são anunciados e você vai ter disponível materiais básicos para a sua apresentação, como notebook, um quadro, etc. A exposição da pesquisa gira em torno de 15 minutos.

Matheus:É algo simples, nós é que ficamos com medo. No dia da apresentação foi requisitado aos participantes que explanassem sobre o tema analisado em seus artigos. O ideal é buscar explicar de forma sistemática e clara as ideias centrais defendidas em suas análises. A dica é elaborar a exposição do tema de maneira sucinta. Usando uma comparação, é como explicar o conteúdo de um bom filme a um amigo, mas utilizando das ferramentas organização, linguagem acadêmica e jurídica. Na minha percepção, a dificuldade está na elaboração do artigo, o texto em si, pois se precisa organizar todas as ideias, livros e fontes a serem pesquisados. Depois do texto estar pronto e organizado, apresentar se torna mais simples, pois, fica somente a questão de se explicar o que está escrito, a apresentação é uma decorrência da elaboração do texto. Desse modo, falar torna-se mais simples e confortável do que escrever.

Pedro:A sustentação oral acontece normalmente em uma sala, como a sala de aula, que conta com alunos e professores, que poderão fazer perguntas e te avaliar, fazendo uma analogia, é como a apresentação de um trabalho em sala.

 

UFFOCO: Conte-nos um pouco sobre o conteúdo de seu artigo.

Título:“Analise sobre a prática do insider trading no Brasil”

Talita:Insider trading basicamente versa sobre o uso indevido de informações privilegiadas no mercado de capitais e ocorre quando alguma informação (em regra da companhia) com potencial de ser importante (privilegiada) é negociada antes da hora, por alguém (insider) que obteve acesso ao conteúdo, visando uma vantagem financeira pessoal. Ou seja, é o indivíduo que descobriu algo muito determinante para o futuro de uma companhia e que ganhou dinheiro em cima do que soube, divulgando essa informação antes da hora certa.

Título:“Poder de controle diante da dispersão acionaria: impactos nos deveres e responsabilidades perante os stakeholders”

Matheus:O artigo trata basicamente dos efeitos da pulverização acionária nas sociedades anônimas. No início deste século o Brasil passou a adotar formas mais dinâmicas em seu mercado financeiro, até mesmo para atrair mais capital, todavia a evolução do mercado financeiro não foi acompanhada da evolução legislativa. Ocorre que a lei das sociedades por ações, dota de diversos deveres e responsabilidades o acionista controlador, todavia no âmbito das sociedades de capital disperso se torna difícil identifica-lo e isso pode gerar problemáticas, com efeitos danosos para os interesses de um conglomerado de pessoas ligadas a sociedade anônima, os stakeholders. É sobre isso que trata meu artigo, esta é a discussão central.O objetivo do trabalho é demonstrar que, com a criação do Novo Mercado, a dispersão acionária passou a ser uma realidade no Brasil, sendo que esta nova dinâmica, quando confrontada com a disciplina legal do poder de controle na Lei 6404/76, em alguns casos, acaba por impedir a identificação do acionista controlador. Neste caso, eventual acionista que prepondere nas assembleias por questões fáticas, será consideradoum acionista comum, sem deveres e responsabilidades para com os stakeholders. Sugere-se alteração legislativa para a correção da referida lacuna, no sentido de transferir tais deveres e responsabilidades para a pessoa jurídica.Emsuma, a estruturação do trabalhose dividiu dodaseguinteforma: No primeiro item,apresentou-seanoçãogeralde poderdecontroleesuasprincipais definições,formas de exercício,classificações.Nos itens seguintes,mostra-seo poder de controlenarealidadebrasileira,otratamentodadopelalei,suas problemáticaseos desdobramentos naaplicabilidade; explica-sesobre arelação do novo mercadocomo fenômenoda dispersão acionária;  após sobre osimpactosda dispersãodas ações nassociedadesanônimas enoúltimo tópico relata-seosefeitos da nãoidentificação do acionistacontrolador,emrelaçãoaos interesses dos stakeholders (aquele que possui interesse nos riscos da respectiva sociedade por ações).

Título: “Participação e voto a distância nas assembleias: contra o absenteismo e em prol do ativismo.”

Pedro:O artigo busca analisar a atuação dos pequenos acionistas frente as assembleias promovidas em determinadas empresas. O objetivo central desse trabalho é trazer à tona os meios pelos quais estes pequenos acionistas utilizam-se para expor seus posicionamentos, seja por meio de suas participações ativas na empresa, seja a partir de votações a distância. Em suma, a ideia é evidenciar esse tema, amplamente utilizado nas empresas, também como método para o combatedo absenteísmo (ausência no ambiente de trabalho) em pró do ativismo no setor empresarial contemporâneo.

UFFOCO: O Direito Empresarial sempre despertou seu interesse? Por quê? Pretende seguir carreira nesse mesmo ramo?

Talita: Eu passei a me interessar sobre o tema recentemente, já no nono período. Professores têm uma capacidade muito grande de influenciar o gosto do aluno pela matéria e felizmente me adaptei muito bem ao modo como o professor Vinícius Chaves ministrou o conteúdo de direito empresarial. Sobre seguir a carreira em direito empresarial, penso com certa frequência, mas não com absoluta certeza. Não me sinto com propriedade ainda para dizer que achei o “ramo da minha vida” sem ter visto na prática como funciona. E por mais que digam que o caminho é economicamente promissor, não acredito que eu tenha o perfil de permanecer nesta seara apenas pelo dinheiro.

Matheus:Sim, desde metade da graduação venho me interessando bastante por essa área jurídica, quando passei a ter um contato mais direto, me instigou ainda mais interesse.Eu gosto de áreas onde o conhecimento possa ser aplicado de maneira mais dinâmica e também prática e observo ambas atribuições no Direito Empresarial. Sempre tive o interesse de entender melhor o funcionamento do mercado empresarial, do mercado financeiro e de suas proteções jurídicas. Essa disciplina, abre horizontes para se obter uma aplicaçãodo direito direcionada para os interesses de empresários, para o mercado financeiro, para suas devidas proteções, bem como para possibilitar caminhos que visam garantir perspectivas de crescimento econômico, algo imprescindível para a saúde de uma nação.

Pedro:Sempre, o ramo de empresas e trabalho sempre despertou meu interesse, por ser um ramo de alta circulação de capitais, e que consequentemente possui uma grande demanda no mercado.

UFFOCO: Que sugestões ou conselhos você daria aos alunos que também almejam desenvolver um artigo acadêmico?

Talita: Eu vou seguir o que o próprio professor Vinícius fala com frequência: que todos somos aprendizes. É bom ter uma visão humilde sobre a sua própria trajetória e por óbvio, nós estudantes, novatos, erramos muito, porém estamos em uma fase própria para isso, porque ninguém nasce sabendo.Acredito que os interessados em desenvolver um artigo acadêmico podem começar lendo pesquisas de outras pessoas, acessando anais de outros seminários e/ou congressos. Isso ajuda bastante, não só para se familiarizar com o formato, mas também para analisar as diversas abordagens sobre conteúdos presentes nas atuais pesquisas acadêmicas.

Matheus:Inicialmente, os alunos que desejam compor artigos precisam encontrar uma área que lhes desperte interesse. Após a identificação desta, é imprescindível mostrar o interesse ao professor da respectiva matéria que melhor fornecerá as orientações adequadas para a elaboração do artigo, depois disso é se esforçar, se dedicar e aos poucos se colhe as boas consequências do trabalho, estudo e pesquisa.

Pedro:Tranquilidade e calma, o trabalha sempre vai iniciar com insegurança e dificuldade, mas tudo se desenrola com o passar do tempo e com a experiência que se adquire com esse trabalho.

 

UFFOCO: Agradecemos e parabenizamos a aluna Talita Louise Salvador e os alunos Matheus Pedroza e Pedro Carraro pelo engajamento e pela excelência que vêm demonstrando em suas trajetórias acadêmicas. Esperamos revê-la e revê-los novamente em nosso portal. Sucesso!

 

Entrevista feita por Karen Souza.

Comments are closed.